Como proceder a um saudável intercâmbio de insultos

tumblr lmrnjyJsym1qh1f3io1 500 Como proceder a um saudável intercâmbio de insultos

Um dos mai­o­res desa­fios com que o ser humano se depara cons­tan­te­mente (além o de con­se­guir con­fec­ci­o­nar um bom crème bru­lée, com a cara­me­li­za­ção mesmo no ponto) é o de encon­trar um local onde possa lan­çar impro­pé­rios em público, sem ser olhado de sos­laio. Arran­jar sítios onde seja soci­al­mente acei­tá­vel falar de forma des­bra­gada, debi­tar ver­ná­culo que nem um alarve e insul­tar as mães de ter­cei­ros nem sem­pre é fácil.

Feliz­mente, exis­tem edi­fí­cios que foram cons­truí­dos para o efeito, e onde um indi­ví­duo se pode diri­gir para, de forma mode­ra­da­mente con­for­tá­vel e num lugar sen­tado, enxo­va­lhar outros indi­ví­duos. Hoje em dia, alguém que pre­tenda entrar numa con­tenda ver­bal plena em aze­dume que não seja vista reti­cen­te­mente pelos demais pares pode dirigir-se, por exem­plo, a um está­dio de fute­bol. Aí, pode inter­pe­lar uma das equi­pas, inclu­sivé a de arbi­tra­gem, e dizer coi­sas desa­gra­dá­veis, desde levan­tar a hipó­tese de exis­tên­cia de pro­ble­mas oftal­mo­ló­gi­cos, cri­ti­car a ido­nei­dade do árbi­tro ou até chamar-lhe nomes feios, como Fir­mino. Para mui­tos pais, este é o palco ideal para pro­ce­der à ini­ci­a­ção da sua prole na nobre arte da uti­li­za­ção do ver­ná­culo como forma de achincalhar.

Outro local onde é acei­tá­vel debi­tar chor­ri­lhos de insul­tos é ao volante. Aí, o seu inter­câm­bio está já ins­ti­tu­ci­o­na­li­zado e enrai­zado na soci­e­dade, o que torna o auto­mó­vel um local espe­ci­al­mente indi­cado para enve­re­dar pelo insulto de aze­lhas (ou seja, todos os res­tan­tes con­du­to­res, e até peões, que se jul­gam donos da pas­sa­deira). Os menos con­fi­an­tes podem até socorrer-se da buzina, para se tor­na­rem mais asser­ti­vos na ofensa. Embora estes fac­tos sejam do conhe­ci­mento geral, nem sem­pre as pes­soas tiram par­tido do auto­mó­vel. Acho mal às vezes deparar-me com pes­soas em efer­ves­cen­tes alter­ca­ções em plena via pública. Se opta­rem por se achin­ca­lha­rem mutu­a­mente, ao menos que se diri­jam às res­pec­ti­vas via­tu­ras e o façam a par­tir de lá, para tor­nar a coisa mais agra­dá­vel tanto para os inter­ve­ni­en­tes como para os tran­seun­tes e mais ade­quada socialmente.

Vol­tando à uti­li­za­ção da buzina, há um ponto que nem sem­pre é tido em conta pelos auto­mo­bi­lis­tas. O insulto deve ser sem­pre pre­ce­dido da uma buzi­na­dela. A ausên­cia desta cor­te­sia revela uma tre­menda falta de res­peito pelas con­ven­ções de inter­câm­bio de insul­tos envol­vendo enco­le­ri­za­dos con­du­to­res de auto­mó­veis ligei­ros, pesa­dos e trac­to­res. A buzi­na­dela deve sem­pre ante­ce­der o ponto de ebu­li­ção, indi­cado que está imi­nente. O facto de cer­tas pes­soas não terem isto em conta e par­ti­rem ime­di­a­ta­mente para o insulto sem a devida sina­li­za­ção sonora pré­via mos­tra que são pouco civi­li­za­das. Tenho dito.

Pare­cer à Edi­ção do Hino da Uni­ver­si­dade do Minho
Uma his­tó­ria em que quase sucede alguma coisa

Write a comment

Name *

E-mail *

Website

Message *

1 Comentário

  • Liliana

    Da pró­xima vez que esti­ver no banco do pen­dura, num certo toyota corolla, vais levar uma buzi­na­dela! :p

    08/04/11 – 21:36

Balloons theme by
Moargh.de