O omnisciente

e65004c50efa9c2dab7f240b12fb8ace55551781 m O omnisciente

Sinal dos tem­pos: hoje em dia pesca-se mais com uma rede social do que com uma rede real. Não estou nada pre­o­cu­pado com isto, mas resolvi no entanto vir hoje aqui falar sobre o face­book. O face­book é aquele jogo cujo objec­tivo con­siste em ame­a­lhar o maior número de ami­gos pos­sí­vel. O face­book sabe tudo. Inclu­sivé há quanto tempo não escre­ve­mos a um amigo. O face­book preocupa-se. Ele vê que não nos temos cor­res­pon­dido com a pes­soa recen­te­mente e ime­di­a­ta­mente surge uma noti­fi­ca­ção que nos impele a escre­ver uma men­sa­gem para nos rea­pro­xi­mar­mos. E, sem­pre que há um amigo recém-chegado ao site, este invectiva-nos a ajudá-lo a integrar-se, recomendando-lhe algu­mas pes­soas que possa conhecer.

Mas tam­bém tem fun­ci­o­na­li­da­des real­mente úteis: atra­vés dele posso ficar a saber quando as ami­gas ficam sol­tei­ras. E ajuda a sepa­rar o trigo do joio, atra­vés da ela­bo­ra­ção de um ran­king ami­zade. Este ran­king clas­si­fica os ami­gos segundo o número de vezes que fazem comen­tá­rios dizendo que esta­mos o máximo nas fotos. É sem­pre bom poder­mos saber com quem pode­mos contar.

Enquanto ges­tor vir­tual de rela­ci­o­na­men­tos pes­so­ais, não é per­feito. Diz-nos sem­pre que se apro­xima a data de ani­ver­sá­rio de um amigo, mas não se envia auto­ma­ti­ca­mente uma men­sa­gem a felicitá-lo no dia. Nes­sas altu­ras pode­ria tam­bém enviar poupar-nos tra­ba­lho e enviar para os res­pec­ti­vos domí­ci­lios pren­das de acordo com as pre­fe­rên­cias e gos­tos pes­so­ais de cada um (e tam­bém com valor mone­tá­rio pro­por­ci­o­nal à posi­ção ocu­pada no ran­king de ami­gos). Uma falha ainda mais grave é não “desa­mi­gar” logo pes­soas que se jun­tem a gru­pos de fãs da Hello Kitty. Sem dúvida, há ainda muita mar­gem de mano­bra para melho­rar este serviço.

Pseudo-crítica de cinema: Ava­tar
Acabo de rami­fi­car a minha escrita

Write a comment

Name *

E-mail *

Website

Message *

9 Comentários

  • Pedro

    Muito bom! Esqueceste-te só de refe­rir que no face­book toda a gente é bonita nas fotos xD

    12/20/09 – 13:37

  • José Dur&atil

    É verí­dico ;). Só para acres­cen­tar outra coisa que ocor­reu ontem.

    No Face­book surgiu-me publi­ci­dade a um con­certo dos Black Eyed Peas em Por­tu­gal. Quando a fechei, o Face­book pediu-me o motivo. “Ofen­sivo”, é claro.

    12/20/09 – 4:17

  • Violetrose

    Sau­da­ções vin­das do ima­gi­ná­rio :)
    Desde já mui­tos para­béns pelo blo­gue. Não que seja fan­tás­tico, mas nesta imen­si­dão de blo­gues que exis­tem hoje, dou gra­ças à sorte quando encon­tro um razoá­vel. E o teu é acima da média.
    Gos­tava ape­nas de acres­cen­tar algo ao teu ilus­tre e diver­tido com­ment. O face­book de uma pers­pec­tiva mais rea­lista sem o flo­re­ado de bem viver a vida, é um ilus­tra­dor com bone­cos da conta decres­cente para a morte. Esqui­sito? Não, ape­nas uma des­res­pei­tava dife­rente. Por exem­plo, pes­soas ilus­tres depen­den­tes de subs­tan­cias opi­oi­des, como .…hum…Fernando Pes­soa? pois…este ilus­tre Poeta dizia que “cami­nha­mos para a morte” desde que pela pri­meira vez sen­ti­mos uma lufada de ar fresco ao sair da “bar­riga” da nossa pro­ge­ni­tora.
    Ora pen­se­mos. No face­book os jogos uti­li­zam o tempo. Agora para plan­tar um fruto pre­ci­sa­mos de 2h ou 4h ou dias. Ora, há gente que fica tem­pos e tem­pos a espera à frente do moni­tor a ver a vida a pas­sar e a morte a bater à porta.Tenho que admi­tir que tal ideia dá um clip engra­çado:)
    Pre­firo viver a vida e dei­xar a fruta cres­cer mais len­ta­mente na terra que outrora nos­sos ante­pas­sa­dos luta­ram bar­ba­ra­mente. Terra que uti­li­za­vam para plan­tar e para comer. não para sen­tar e ver a vida pas­sar em frente a um moni­tor onde fru­tas nas­cem sem se poder sen­tir o aroma e sabor.
    Assim me des­peço.
    Espero que con­ti­nues a escre­ver.
    já agora e que tal um comen­tá­rio a um super-homem que para Por­tu­gal. Tem ves­ti­menta branca e usa o medo humano para criar per­so­na­gens míti­cas que sal­vam o mundo:)
    Sim estou a falar do Papa.
    Aguardo a tua Vil opi­nião sobre o homem.

    Con­ti­nu­a­ção de Sau­da­ções do ima­gi­ná­rio cada vez mais real

    12/20/09 – 22:54

  • José Durães

    Olá, olá!

    Fico-te extre­ma­mente agra­de­cido pelas tuas pala­vras. É sem­pre bom saber que as minhas diva­ga­ções de vez em quando acom­pa­nham a cami­nhada de mais alguém ;).

    É per­fei­ta­mente natu­ral que o zap­ping mati­nal esteja acima da média, afi­nal de con­tas eu engen­drei um plano maqui­a­vé­lico. Estive meses a fio a criar e a ata­fu­lhar a blo­gos­fera de milha­res de blogs de pau­pér­rima qua­li­dade de forma a con­se­guir inflac­ci­o­nar o valor do meu.

    Bem, mas pas­sando ao que inte­ressa: quanto à tua ideia para o clip: ado­rei! É bem visto o facto de esses jogos esta­rem a cro­no­me­trar o tempo que nos resta. Se leva­res isso por diante e pre­ci­sa­res de um figu­rante para enver­gar uma túnica preta e segu­rar numa foice, avisa! ;)

    Real­mente gos­tava de escre­ver mais sobre reli­gião, desta feita fazendo refe­rên­cia ao papel do papa. A última vez que o fiz aca­bei por men­ci­o­nar a pala­vra “pão” metade do tempo, pelo que pro­va­vel­mente será algo a roçar o esta­pa­fúr­dio. Mas hei-de me debru­çar sobre isso :).
    Já agora, como che­gaste até este humilde blog (o blog é que é humilde, eu não, muito pelo con­trá­rio)? Tens algum esta­miné na inter­net onde escre­vas? ( A uti­li­za­ção do “vil” é-me fami­liar, mas pode ser só coincidência.)

    Sau­da­ções da estra­to­fera, vin­das dum moço aluado

    12/20/09 – 18:54

  • Violetrose

    sau­da­ções ima­gi­ná­rias de uma real ser:)
    Encon­trei o teu blog por um acaso. estava a ver o que sur­gia na net sobre Zap­ping.
    Dife­rente .…?
    Não. estava a ten­tar rela­ci­o­nar o dife­rente tipo de zap­ping em peri­o­dos dife­ren­tes do dia. Quando pes­qui­sei zap­ping mati­nal encon­trei o blog. Li, vol­tei a ler e gos­tei.
    Agora depois da tua res­posta con­sigo afir­mar uma inver­dade. és humilde. Porquê? pode­rás per­gun­tar tu. Lógico…és humilde ten­tando des­viar as aten­ções para um pseudo-escritor pre­ten­si­oso, o equi­va­lente a um José Mou­ri­nho da escrita:)
    Quanto à minha escrita, ape­nas coloco uns sar­ra­bis­cos elec­tró­ni­cos no teu blog :)
    Agora falando em blog. Sei que a filo­so­fia de blog é ser um diá­rio, onde se colo­cam ideias. Mas eu penso que blog tem seme­lhan­ças com uma parede elec­tró­nica onde se colam folhas com ideias. Numa parede, por vezes, tem papeis escri­tos, em que o humilde cida­dão anda tão pre­o­cu­pado com a sua vida que não vê. só o vê se:
    – um amigo dis­ser que escre­veu na parede;
    – ou pro­cura nas pare­des pelas mar­cas dei­xa­das por alguem.
    Essas mar­cas são arte. pode ser um dese­nho, um con­junto de linhas que se arti­cu­lam em pala­vras. E isto trans­mite ideias, estí­mu­los ao nosso inte­lecto, incute em nós uma evo­lu­ção. Por isso con­ti­nuas a arti­cu­lar ideias, tra­ços e rea­liza nesta parede a tua marca, fazendo evo­luir o inte­lecto Português.

    Mais um futuro titulo para um post: Seme­lhan­ças e dife­ren­ças entre o Papa e o Hitler.
    uma humilde ajuda: ambos ten­tam con­quis­tar o mundo pelo medo em busca de uma soci­e­dade per­feita.
    Uma dife­rença além de um se encon­tra vivo e o outro ter fale­cido: os estra­ta­ge­mas do Hitler são repu­di­a­dos, os do papa são actos divinos.

    Para Ter­mi­nar mera questão…Qual a ori­gem da pala­vra Nylon…descobre…vais gostar…esta rela­ci­o­nado com o con­ti­nente ame­ri­cano e a Ásia.

    Sau­da­ções reais de um ser imaginário:)

    12/20/09 – 22:13

  • myvioletrose

    Aqui esta um pedaço de muro onde coloco as minhas ideias sadi­ca­mente não ide­a­li­za­das
    cum­pri­men­tos,
    vio­let rose
    http://myvioletrose.wordpress.com/

    12/20/09 – 18:36

  • Bass

    par­tia a pissa xD

    12/20/09 – 14:09

  • Rafeiro Perfumado

    Ape­sar de já ter pas­sado os 1014 ami­gos no FB, tenho sido cau­te­loso no mesmo. Rara­mente peço ami­zade a alguém, e tenho cui­dado com o que lá coloco. É que se é giro os ami­gos verem o meu dis­farce de car­na­val, tam­bém há que ter em conta que o admi­nis­tra­dor da empresa igual­mente o vê. E não deve ser bom ter a pró­xima reu­nião com ele a imaginar-me de machado na cabeça…

    12/20/09 – 9:00

  • José Durães

    Cal­culo que sim. Não vá isso dar-lhe ideias e, no pró­ximo car­na­val, ele ir ter con­tigo ves­tido de lenhador.

    12/20/09 – 17:34

Balloons theme by
Moargh.de